Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

babidibupi

Alegria. Amigos. Família. Faculdade. Livros. Música. Viagens. Amores. Futilidades. Desabafos. Tudo e mais alguma coisa. Babidibupi!

babidibupi

09
Ago15

Dos incêndios

 

 

 

Este fim de semana o Alto Minho vestiu-se de negro. E isto não é nada, que no regresso ao Porto passei por sítios ainda pior... Relembrem-me lá porque é que não se investe (mais) na prevenção? 

04
Ago15

Comichão

O meu primeiro nome tem um acento e se há coisa que me faz comichão é a maneira como as pessoas o escrevem. Não é assim tão dificil colocar lá um acento! Pior ainda é quando outras pessoas com acento no nome escrevem o meu mal. Eu que respeito sempre o acento do nome dos outros... Enfim. 

04
Ago15

I'm back

Sim eu sei que nunca cheguei a ir embora! Mas depois de duas semanas em que não tinha animo para escrever no blog nem para sorrir ao mundo, estou cheia de força outra vez... Deve ter mudado a lua ou assim porque as minhas energias já se recarregaram e esta semana até já se ouviram gargalhadas minhas. Só para que tenham noção, estou-me a rir neste momento das piadas do dia. Realmente assim a vida tem outro sabor! =)

03
Ago15

"The show must go on"

Ás vezes dou por mim a comparar a vida a uma montanha russa. Naquele momento em que dou por mim a antecipar o abismo a altas velocidades e em que é tarde de mais para sair por isso vou ter mesmo que aguentar a maldita diversão até ao fim. Eu sou uma medricas e não gosto nada destas coisas. Mas para quem curte montanhas russas e afins, vasta-vos imaginar que estão numa viagem de autocarro longa e não foram à casa de banho na última paragem, beberam uma garrafa de coca-cola e a próxima estação de serviço é daqui a 100 km. Desesperante e não dá para parar, tem que se aguentar até ao fim...

02
Ago15

Fui ao cinema, sozinha

Em tempos, tremia só em pensar sair de casa sozinha. Nos meus primeiros anos de faculdade, um dos meus maiores medos (por assim dizer) era ir para a faculdade e não encontrar lá ninguém conhecido. Por isso, de cada vez que saia de casa tinha sempre alguém à minha espera onde quer que eu fosse. Caso contrário, deixava-me ficar enclausurada dentro de casa. Aos poucos, esta minha fobia por ser vista em espaços públicos sozinha foi-se desvanecendo. Continuo com pequenos receios que sei que são infundados e não lhes dou ouvidos: apercebi-me que as pessoas pessoas (se calhar) tem mais que fazer da sua vida do que olhar, gozar e rirem-se de mim o tempo todo. Tenho uma amiga que fica escandalizada de cada vez que eu lhe digo que vou à praia só com um livro por companhia ou passear sozinha, mas felizmente vamos vivendo num pais seguro e civilizado e não imagino de mal a acontecer-me nos locais onde eu vou, por isso não vejo o problema! Claro que se me perguntarem se não preferia ir com alguém eu digo que essa questão nem se coloca, claro que preferia. Mas decidi que não é por não ter companhia para fazer qualquer coisa que eu gostava muito num espaço público que a vou deixar de fazer. E é libertador. Hoje depois de ter ido ao ginásio (sozinha!) fui ver o Inside Out ao cinema (sozinha!) e muito sinceramente sinto-me muito melhor do que se tivesse passado a tarde em casa a esconder-me do mundo. E muito orgulhosa por me ver a fazer coisas que há uns cinco anos eu pensava que nunca iria ter coragem. 

01
Ago15

Febre de sábado à noite

É o primeiro sábado do mês de Agosto. Com 23 anos devia estar a sair de casa, bem arranjada, para ir jantar e de seguida sair e com os meus amigos até amanhã de manhã. Em vez disso, estou em casa sozinha (não fui a Casa este fim de semana) a decidir se vou ter por companhia o Harvey Specter ou se vejo o I Origins em Suits. 

Pág. 2/2